tempo de leitura estimado em 6 minutos

4 mindsets para se reinventar na vida pessoal e profissional

quem imaginava há dez anos atrás que a gente usaria o celular pra acessar a internet do mesmo jeito que acessava pelo computador? quando a gente fala de novas tecnologias e novas mídias, de uma coisa pode ter certeza: mudanças gigantes ainda tão por vir.

nesse contexto, se reinventar na vida pessoal e profissional é mais que um estilo de vida ou uma tendência do momento: a reinvenção é uma necessidade essencial pra se manter no jogo do longo prazo.

por isso quando eu vi o nizan guanaes (um dos maiores publicitários do brasil, fundador do grupo abc e responsável por campanhas históricas da propaganda nacional) voltando ao seu primeiro dia de falando sobre transformar a agência DM9 e que vão investir de forma massiva em plataformas digitais… sabia que tinha que prestar atenção nisso. sabia que tinha alguma sabedoria pra tirar daí.

então gravei um podcast falando exatamente sobre isso.

com o foco do nizan passando agora da agência áfrica pra DM9, ele “voltou ao trabalho” completamente conectado/online: as pessoas puderam acompanhar seu “primeiro dia” pelo instagram e facebook.

isso mostra a perspectiva de como o mundo digital já é o presente. ou melhor: não tem mais separação entre offline e virtual.

a gente tá vivendo uma mudança de era, uma vírgula da história.

tem uma disrupção acontecendo forte na mídia, no empreendedorismo, na comunicação. um exemplo? o youtube hoje tem mais visualizações do que emissoras de tv.

e o futuro vai ser 10x maior do que isso.

as transformações tão cada vez mais aceleradas e parte do desafio é colocar todo mundo na mesma página. isso inclui grandes empresas apegadas aos acertos do passado… como também pessoas que ainda não tiveram acesso às inovações que já tão acontecendo.

e quando você vê uma pessoa chegando aos seus 60 anos com essa mente de inovação, te dá um gás enorme.

e pra isso acontecer pecisamos falar de 4 mindsets contraintuitivos que permitem essa transformação.

 


#1 se disponha a destruir o que já funcionou no passado


acertos-do-passado

sabe qual a qual a estratégia de negócios mais adotada? é a empresa se esforçar pra agir de forma coerente e ter resultados previsíveis. e quando dá certo, escalar repetindo os processos.

só que o próprio sucesso pode tapar seus olhos pro que vem por aí.

um dos casos mais icônicos é o da kodak.

por isso quero te apresentar steve sasson, um cientista curioso e inovador que – por acaso – foi a pessoa que criou a primeira máquina digital.

em 1976 ele produziu um relatório chamado “a câmera do futuro“, onde previa cartões de memória, armazenamento e transmissão de imagens para outros aparelhos… chegou inclusive a construir um protótipo.

o problema? ele inventou “a câmara do futuro” para a kodak, uma empresa lenta e protecionista que estava mais interessada na “foto perfeita”, apenas alcançável (naquela época) com a fotografia em filme.

“as imagens impressas têm qualidade melhor!”, foi a justificativa da empresa pra barrar o projeto.

o destino da kodak todo mundo sabe: arrasada pelo mercado da fotografia digital, ela decretou falência em 2012.

traçando um paralelo com o caso do nizan… apesar da DM9 ser uma das maiores agências do país, simplesmente não dá pra andar em direção ao futuro se a gente estiver preso ao passado.

o próprio nizan disse numa entrevista ao jornal zero hora:

“no comercial publicitário, o interessante é o final. na internet, o interessante é o que acontece nos primeiros 15 segundos. é um ambiente que exige uma lógica própria.”

o fato é que nos últimos anos a DM9 perdeu contas importantes (como a C&A e o guaraná antarctica) e também algumas de suas lideranças criativas. assim nizan entrou em campo novamente para injetar vida nova, fortalecer a cultura e reformular a marca.

 


#2 permaneça curioso


2-curioso

falar em “seguir a sua paixão” pode parecer uma coisa vaga demais… muita gente fica perdida, não sabe direito qual caminho seguir.

outra forma de falar poderia ser: “siga a sua curiosidade”.

a sua curiosidade vai te apontar caminhos e te trazer novas perspectivas, novos pontos de vista. e aí você consegue analisar diferentes ângulos de uma mesma questão pra tecer comentários mais assertivos e criar soluções mais completas.

quando a gente experimenta, cria protótipos e questiona nossa própria visão de mundo, a gente entende qual a melhor hora de mudar.

a curiosidade que nos faz testar coisas novas é um remédio poderoso contra a repetição que mantém o status quo (e que pode te levar à saída do mercado, como no caso da kodak).

sobre esse assunto, uma frase que faz muito sentido pra mim é que

as pessoas mais interessantes do mundo são as que mais se reinventaram ao longo da vida.

outro ponto essencial sobre curiosidade e reinvenção é buscar ativamente problemas maiores pra resolver. como bons resolvedores de problemas que somos, quando não arranjamos problemas de verdade, começamos a criar problemas na nossa própria mente.

 


#3 transforme de dentro pra fora


3-dentroprafora

as transformações mais potentes começam de dentro pra fora, seja no nível pessoal ou nas empresas. por isso autoconhecimento é essencial. na high stakes academy os colaboradores se reúnem pelo menos uma vez ao ano pra construir colaborativamente o futuro da empresa.

e quanto mais as pessoas exteriorizam o que elas pensam e o que elas sentem, mesmo que a gente não concorde, estabelecemos um outro nível de discussão.

no fim não importa quem tava certo ou errado, porque, independente disso, a gente vai se comunicar de uma forma mais íntegra, de uma forma onde cada um consegue mostrar o que tá por trás da sua opinião…

é nesse olhar “pra dentro” (pros sentimentos e pensamentos) que a gente acha o norte em relação às mudanças que queremos fazer nas nossas vidas e no mundo.

lembre sempre:

a mudança é a única constante da qual se pode ter certeza.

então precisamos achar clareza em meio ao caos pra enxergar as oportunidades que cada situação apresenta.

 


#4 o poder de mergulhar no caos e manter a sanidade


4-caos

por fim, vale dizer que tudo isso se torna ainda mais urgente quando as coisas começam a dar errado.

contraintuitivamente, isso torna tudo mais fácil também.

explico: quando nossa segurança é ameaçada, quando as mudanças naturais do mundo tiram o nosso chão, esse mindset de proteger o que tem funcionado não é mais uma opção.

num momento de caos, você tem muito mais disposição pra destruir o que funcionou no passado, ouvir a sua intuição, investigar seu mundo interno e seguir a sua curiosidade.

por exemplo, a apple só levou steve jobs de volta num momento em que precisava desesperadamente se reinventar. isso deu liberdade pra ele fazer apostas ousadas que terminaram resultando num sucesso gigante.

o caos cria oportunidades.

oportunidades enormes de reinvenção.

o podcast que tá nesse post e voltar a escrever pro blog faz parte do meu momento de reinvenção.

quer saber tudo o que rolou no dia de gravação desse episódio?

__

e você, já passou por algum momento em que foi forçado a se reinventar? a gente continua o papo nos comentários :)

ps: eu mesmo passei (e continuo passando) por importantes processos de reinvenção. tudo isso eu explico em detalhes durante a high stakes week e aprofundo os principais pontos que descobri nessa jornada no meu curso online de alta performance, mindset e hiperprodutividade, o moving up.

se você quer entender como esse curso pode ajudar no seu processo de reinvenção (assim como ajudou os mais de 6 mil participantes que já passaram por ele), dá uma olhada na “carta aberta” que escrevi aqui.

* a próxima turma do moving up vai começar no dia 04/09.

share this.

conhece alguém que pode curtir esse conteúdo? compartilhe esse post (vão te agradecer depois)

eBook gratuito com o passo a passo para você viver em alta performance: